09
Dom, Maio

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Às fugas, traços, máscaras,

matéria-prima dos espelhos

verdades do rosto.

 

 

Às faces, aos famintos

e cansados espelhos oferecer

para que eles estilhacem ou multipliquem

 

até que máscara definitiva

identifique

entifique o id.

(em holocausto ao duplo)

 

em átimos secretos fluir-se

como fênix volúvel invencível

e das cinzas dos labirintos

dos ossos de suas sombras

erguer janelas

a touros avaros da vida.

(poema a Europa)

Para muitos só o inesperado há

momento dentro e fora do tempo

que nos esmaga, consome, retrata

T.S. Eliot

 

Todo o presente é imprevisível.

O futuro podemos sabê-lo

nunca o momento

de que somos testemunhas

nunca desvelamos.

 

Só o passado é certo. Futuro

a Deus pertence

sábio, dúbio, ubíquo, ladino, vidente.

 

Ao tempo que há de vir

e não veremos.

 

Nota: Só o presente significa (para o eu)

o passado pertence ao nós

futuro é do outro

(embora pertença a Deus)

O poema tem

intuição do tempo e da morte

 

Traz curso da vida na segunda estrofe.

 

É ser servo do porvir.

 

Enlaça-o passado

palavra presente

apresenta-o ao futuro.

 

Poema é ser.

 

Todo convés é iluso.

Ao mar que é morrer iremos.

Ufanos. Embarcados da sombra.

 

À semedura corrupta

da vida

à messe do céu

{jcomments on}

Murilo Gun

 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS