13
Dom, Jun

Diversos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Sonhei ontem a mulher nua coberta de 
verduras, entre os seios maçãs e na grande 
cona tâmaras eretas e querubins. O corpo da mulher 
uma mesa, altar de devotas frutas. 

Mênstruo representa aurora e pomares seus primeiros encarnados passos
pássaros duplos os seios... e minha fome o êxtase.
O corpo escritura ou canção.
Partitura fêmea, a poesia, que é mulher, torso 
demônio urdiu de um só osso de Adão.
Corpo macho (idoso, obeso, rachado de feiura) 
é obra de Deus! (Certamente) 

II

Cada osso ou minúcia do crepúsculo utiliza
o amanhecer, com intensidade de relâmpago.

E que o sentido do corpo? Nenhuma só a alma
sente. Corpo se entrega, se doa à unção
do prazer. Fonte de volúpia. Assim, é insensato o ser. 
Tudo é poente. Quando? O corpo foi só alma.
Sobre o esqueleto do século ergo meu cajado 
intemporal e a foice que cerce o resto da carne. 
III
Do jogo de sedução e repulsão ou desprezo 
gera-se o desânimo e a revolta.
Tudo o que seja pudibundo sempre me será
estranho. Tudo o que oficie ao sexo (seguro ou 
não, pois não se trata de seguridade, social ou não), 
me é natural, agrada sobremaneira.

 

Murilo Gun

 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS