20
Qui, Jan

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

 às dádivas do esquecimento

a víscera dos atanores

ao fígado dos arúspices

Tigres se asilam no poente

azuis empalidecem ante

fremir de mandíbulas.

 

Especulo o id dos abismos

em mim dádivas mortas inoculo.

 

Na tarde ébrios outubros cambaleiam

dolorosamente novembros se insinuam

 

vestidos de épuras impuras enquanto

cambaleiam manhãs e rouxinóis.

 

O que alicerça a noite é a sombra

mas o homem e sua obra diurna e insana.

 

Meandros bebem dos alambiques das nuvens

além dos limbos curvos e das navalhas líquidas.

 

Na clavícula do orvalho

madrugada deposita gota de treva líquida

 

grão de manhã em mim circula

veias venenosas e fecundas.

 

Treva às vezes é dádiva

dor a única certeza do mundo.

 

Manhãs estagnadas restaram

de teus olhos de vazios azuis.

 

Entre dobras da madrugada

auroras preparam

espéculos de luz infeccionada

partículas de ondas cegas exaustas.

 

 

 

Murilo Gun

 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS