08
Seg, Ago

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Ira, mulher bela ferina

usa bondade do corpo

para ferir sua sina

nunca se apaixone pela ira.

Ela é insalubre íssima.

 

Ira só difere da loucura pela duração.

 

Ira é cara. Custa às vezes os olhos da cara.

 

Ira cega, não se vê a si.

E é cara, para quem dela for escrava.

 

Ira nunca pode ser exata. Ira não é matemática.

 

Ira é oblonga e detesta geometrias pacíficas.

 

Toda ira é desmedida. E soberba.

 

Ira não é avara.

 

Custa muito por ser desmesurada.

 

Limite da ira: apoplexia.

 

Sobre ira do outro sorria.

Apotegmas da ira não são escuros.

Murilo Gun

 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS