24
Sáb, Jul

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

(em forma de crônica)

Morri ontem ao raiar do dia

A manhã ainda pássaro fora

Claridade estraçalhando-me lentamente

O sol apenas anunciado por clarões vazios

Eu que nasci num domingo

Dentro do córrego de minha mãe

Ante meu pai extático e a perícia do Tio Emigdio

Obstetra, morri

Em Recife

Não sei quando, como, por quê

Morri na solidão enregelada da metrópole

Anônimo como uma barata melancólica

Sitiado de silêncio árido e flores convulsas

As avenidas me viram morrer

E não sorriram

O enterro, procissão de nervos, prantos, poeira

Suores, rumores de barro e frieiras foi intranquilo e crasso

Ao baixar ao sepulcro senti

Cimentos pesarem em meu rosto

(e o espíirito desvencilhar-se da terrível armadura

da armadilha terrena, tomar ares de pássaro

longe dos reinos subterrâneos)

Dístico servia de marca na lápide de surdo mármore

“não obteve salvação pela poesia, felizmente!”

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS