07
Qui, Jul

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A almôndega
é uma metáfora de carne
navegante do mar da macarronada
que atravessa da foz à nascente


os espessos rios da terrina
ecoando no cristal ávido
da saliva do comensal.

A almôndega é uma criatura
made in Italy
conquistadora de massas famintas
com suculentos exércitos
estacionados nos quatro 
continentes do prato ( teatro
das guerras gastronômicas ).

A almôndega
é uma assembléia oblonga
um concílio de filés menudos
de marca registrada e alma swift
que devassa as apetitosas
vias da garganta
e intestino da Europa.

A almôndega é a deusa pop
das artes culinárias
com poderes sobre a mesa
dos restaurantes populares.
Soberana do território do cardápio
de privilégios divididos
com o deus tedesco do hamburger
imperador que se imprensa
entre anchas hostes chatas
de pão francês com mostarda.

A almôndega
é uma metamorfose completa
de carnes reunidas
em torno de uma metafísica
do gosto urbano devorada
nas mesas das casas melhores
por cavaleiros de épicos talheres
e amplos molares
galopando corcéis de saliva 
em almoços milenares.

A almôndega
é uma comédia de carne
que se encena
nos tablados da boca.
É uma cantora do coro
de vozes do esôfago
que faz dueto com molho.

A almôndega é o milagre
da multiplicação da carne
( ou metempsicose de vaca ).

Nota: Este poema foi encenado várias vezes, inclusive em teatros, na peça Só às paredes confesso pela magnifica e bela atriz, jornalista e modelo, Vanessa Sueldy. E marcou época. Agora revivo-o para o FACEBOOK

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 

REVISTAS E JORNAIS