07
Qui, Jul

Tinha uma profissão peculiar

(fora de série, dizia-se nos anos 80)

e única, acho que jamais exercida antes:

enterrar luzes, quaisquer, sob diferentes formas.

Meu coração é um rebanho de azaléas

poço de cisnes conflagrados, surda

tundra de ursos arcaicos

bando de musgos, cofre

Toulouse o apresentou

aos prazeres da Fada Verde

a Gauguin ofereceu o acepipe

de uma sopa de tintas

O silicato incansável dos dias

o cascalho das emoções vazias

geometria pânica, épura rupestre

ctônica veia para o basalto do id

Se foi por mim que muros caíram

ruíram utopias, sagas se despedaçaram

se foi por mim que o fogo bebeu

eloqüente cidadela e heróis estertoraram

Escrevi ontem um poema alcoviteiro.

Estava em desuso e a barba parecia duas navalhas cegas.

Estava me discriminando muito e me acotovelei

num ângulo... felizmente era um ângulo de outubro.

Mais Artigos...

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS