24
Sáb, Jul

Artigos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Creio na artística quântica inexplorada. Na arte quântica da palavra e em suas indestrutibilidades mecânicas.

Poesia quântica meu campo. E cansaço.

 

A palavra ao acaso, a poesia absoluta.

Creio na ação do acaso. Criadora. Absoluta. Ao acaso da palavra, voa, brota, começa e acaba o poema. Absolutamente.

Acaso é liberdade absoluta. Nada mais livre do que o acaso. Do verbo, estabelecido ou não, o poema. Sempre.

Nenhumas indecisões, nenhuns todos, nenhumas pontes, nada de começos, meios, fins, istmos, intimidades, moedas, reinos inóspitos, impropriedades do verbo, abstinências ou olvidabilidades interessam à ávida poesia absoluta.

{jcomments on}

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS