25
Sáb, Set

destaques
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

 Fujo dos temas como das rimas

como o verso libertando-o de mim.

 Arame farpando o silêncio do coração

azul metilene e robusta magenta

para a áspera espera da lauda (tornassol).

 

Toda ossamenta do silêncio agrário preparo

para túmulo da palavra escolho ou limbo

de que se revista o verbo.

E lápide fornalha piramidal alada acendo

com atrito e lenha.

 

Toda canção invertebrada seleciono para o poema.

 

A baixa qualidade de minha poesia é grave.

Por isso detesto leitor (arredio ou castro, inclusive puro)

 

(Medir o tamanho da boca (e) das palavras

sentir-lhe resto de sopro soçobrando

sobrevivente, e tudo fazer antes

de sulcar, manchar o papel

rasgar a página

com o pensamento escrito).

 

(Regar a alma

com um poema absoluto).

 

Me interessa a monotomia fônica inversa

inverto a melodia crispada

crio música de pedra (gritos de sílex)

em bacias de bemóis de bronze.

 

Amaro o poema vital sempre.

 

Os ossos austeros ou somente sós

do silêncio pondero antes do poema.

 

Casulouco azado

pão vândalo da palavra: poema.

 

Preterido o poema não existe

a intenção desmorona

assim o poema sai poemal

e não pessoal

se distancia de mim (eu vital caduco)

e não me revele o poema é.

Murilo Gun

 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS