07
Qui, Jul

Artigos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Eliot: o poeta fala a Ninguém. Ulisses é o leitor.

Falar a ninguém é usar a linguagem sem nenhuma intenção comunicativa (imediata, finalística). A comunicação é com o leitor (competente e não hipócrita) e não com o mundo (idiota ou não).

O sentido, exato do poema não é essencial, é residual.

O leitor de poemas entende formas, não atos da linguagem. Ou coisas do outro.

Detesta fatos aborrecidos. (Como poeta). Como ser

humano adoro Datena.

O leitor é subentendido. Uma espécie de duplo do poeta (alteregoid).

 

A linguagem poética aspira ao essencial, à expressão concentrada e densa (espessura não opaca), a uma forma fechada e diferente da antiga, que a preserve da contaminação prosaica, de modo que o viés comunicativo não predomine, que o dizer algo não seja o objetivo, o fim, desiderato do poema. Pois o fim do poema é ele mesmo. Ele se realiza em si mesmo. Atualiza suas inverdades perfeitas, seu mistério real, suas esfinges, espasmos hieroglíficos, veleidades vitais.

Tudo se resume em indizer, não comunicar (pois a mídia, o satélite, TVs, tablets, redes sociais midiáticas já o fazem bem demais); em desdizer, em inconformar, ou dar atenção à forma do uso da palavra – e não à palavra (dicionária ou não).

{jcomments on}

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS