28
Dom, Nov

Diversos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Cláudio Veras

 

A Poesia Absoluta provém de um pensamento emaranhado, tal como o demonstrou o Prof. Admmauro Gommes, no livro A estranha poesia de VCA (edições Bagaço/Ideia).

 

 

O poema a cada passo (de sua criação ou leitura) deve ter algo no pensamento (do poeta e do leitor) que o refute, inverifique, recuse, mesmo despreze. Aí reside seu valor. O principio de verificabilidade da teoria ou do tal fato próprio da biologia ou ciência em geral, não se aplica à literatura (à poesia). O reino poético é o da inverificabilidade.

O poema (e o poeta) não precisa de fatos ou medidas que o aprovem nem que o desaprovem. É imune a tais. Por isso é poesia. E esta é o pâncreas do verbo, não o seu intestino.

O que não tenha sentido certo e exato, previsível e objetivo é inverificável. Eis o azimute da poesia. Por isso não cabe teorias, hipóteses, métodos, explicações para o poema, que possam ser e ao mesmo tempo gerar explicitudes e contraditas.

A crítica hermenêutica não se preocupa com posição de fonemas, sílaba a mais ou menos, tipo de estrofação, estilo quantitativo. Busca, antes, a concepção de mundo que traga o poeta à página. Sua weltansshuung.

 

{jcomments on}

 

 

 

 

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 

REVISTAS E JORNAIS