29
Qua, Jun

Artigos
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Peroro. A alma se aligeira. Morde-se de remorso pelo que renuncia. E desconhece manhãs para se aprofundar nas sombras de si. O sal não ama sacerdotes.

O sácer é a fúria salina aberta. Um sopro de incenso mirra. A cinza alimenta a vida. O verbo sepulto num verso de jaula. Com gôndolas de náusea. A certeza só do cipreste. Ou da leitura do diário zodíaco mecânico.

 

Toda a pureza desperdiçada. Toda a verdade fatigada. O grande cão nos espera num soslaio. Rumor do olhar adivinha-se nos móveis da alma. A pestilência vígil. A luz consumindo-se nos olhos solenes. Todas as possessões de mãos dadas. Atadas ao nada que é tudo na vida íntima, púbica. O futuro pesando. Os estrépitos do tédio avantes. Estrelas inacabando-se. Poema inacabado.

{jcomments on}

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 
Advertisement

REVISTAS E JORNAIS