28
Dom, Nov

“Eu anotava silêncios (passeando pelo acaso).

Noites e sensações cinzentas, fixava (no ocaso).

O inexprimível fixo levava ao íntimo. Agarrava as vertigens com ardor”.

De Alquimia do verbo/Rimbaud

Leia mais...

Cabedal de luzes, abdul de cinzas

esses lentos círculos prologando abismos

concuspiscentes e carnívoras carolas puras

tribos de esmeraldas, dádiva de diamantes

Leia mais...

De trêmulos espelhos feito o mundo

vida, de apanágios escuros

tempo, de sal e do líquor do trânsito

flores, de vidros do céu.

Leia mais...

Hoje os bárbaros destroçam a sala de jantar

mas cremam poesias, não poetas... ufa!

A poetas não incineram, castram, emasculam

poetas com torquês de verso, golpe de rima.

Leia mais...

Claúdio Veras

                O caminho fica longe para o leitor “entender” Vital Corrêa de Araújo. (Parafraseio, com licença de José Rodrigues de Paiva, Vergílio Ferreira).

Leia mais...

 Chegaram tempos de desesperança e gozos vastos

e da comovedora prosperidade dos pastores

a expensas de Deus coitado, o deus dinheiro

Leia mais...

O tempo, que é impiedoso, mesmo cruel, além de irrepetível, irretratável; o tempo literário, como qualquer outro, passa... e no Brasil não se percebe.

            A renovação da linguagem é permanente. É evolução tecnológica, não técnica. Não é reforçar o método silábico ou inventar rimas de urânio. Não.

            A poesia que 99,99% dos “poetas” brasileiros (milhões e milhões) fazem – artesanalmente, antiquadamente – nada mais é que um tecido de significados insurpreedentes. A expressão já era esperada, já estava predeterminada, face ao crasso, longo e aguardado processo de sua determinação. Ou melhor, sobredeterminação. Tudo nos conformes tudo bilaqueado, tudo pronto, preformulado.

            A esse código velho – e sem surpresa – de tratar o significado, preelaborá-lo para que diga algo válido, importante, vital... que melhore o país, talvez, oponha-se o código imprevisto imprevisível, mesmo ilegível ainda.

            O crítico e poeta luso – Fernando Mendonça, na revista Colóquio (que comprei em Lisboa, Caluste, em 2012) – diz que hoje existem poemas legíveis e ilegíveis. Os primeiros são aqueles que remetem aos velhos costumes do velho homem, e o fazem num código rígido, sem desvios. Os poemas ilegíveis (caso VCA, Rogério Generoso, Admmauro Gommes) “são os que, ao invés de falarem pela boca do homem, falam pela boca do verbo”. E essa palavra contém a voz do vir a ser. Não foi impurificada pelos significados da linguagem poética velha, comum, sempre rebatidos e os mesmos.

            Há um poema que fala, emociona, puxa lágrimas, previsível, certinho, irrefutável. E há outro que nos assusta, causa estupor, estranheza, sideração... tal que, no caso, ler VCA causa AVC. Ou cura. É uma poesia que não reflete o acontecimento, mas propõe-se a fazer o mundo. Se ela – esta tal nova poesia – diz algo é o que as palavras ainda não disseram. É o por vir (e porvir) do verbo.

 

 

Mais Artigos...

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 

REVISTAS E JORNAIS