27
Sáb, Nov

            A poesia reside no uso alternado do signo verbal, de modo a destacar o significante, a palavra, pois o poema é nada menos do que um objeto de palavras. Que não tem, por finalidade ou objeto, tema, comunicação corrente, ditado de algo, ditame da alma. É o verbo, que é de barro, para o poeta absoluto.

Leia mais...

Já luz prolixo ocaso

dorme o páramo montanhoso sono

pesadelo do prado para

maçãs já sonham

Leia mais...

A resultante da filosofia americana do século XX, a vertente pragmatista, que privilegia o senso comum, a vida prática, a ação técnica, marcada pela reflexão sobre o poder das crenças, da fé, e pela vontade de elaborar e estimular hábitos de racionalidade,

Leia mais...

Cláudio Veras

 Paul Éluard (o primeiro marido de Gala, a musa de Dali), que casou com Nush, a bela divina, um dos maiores poetas da liberdade e do surrealismo, finda o seu poema Morrer com os versos:

Leia mais...

Vital Corrêa de Araújo

Ao considerarmos as coisas, os acontecimentos (objetivos e pessoais, externos e íntimos) como naturais (o mundo é assim mesmo, isso tinha de acontecer, entregue a Deus),

Leia mais...

Do páramo donde me despeço da tarde

avisto todo o ocaso, suas nostalgias

e trêmulas cores debulham como milhos

cones vermelhos no céu distante irresistível colho

Leia mais...

Mais Artigos...

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 

REVISTAS E JORNAIS