28
Dom, Nov

            Se a poesia absoluta é atemática, é imateriália. Não é abstrata, sob pena de ser louca, redundante, pure nonsense, meio decorativa da página, colorífica. Se dispensa o tema, qual o objetivo ou como substituí-lo? Ao renunciar ao sentido, o poeta moderno renuncia ao objeto.

Leia mais...

Invista nos quanta de sua consciência e não só na física da alma (physics of the soul) secular (proba porém pobre). Faça o poema novo. Deixe grassar em si novo frisson. Renove o espírito. Retire as ataduras do tempo infiel.

Leia mais...

Vital Corrêa de Araújo

                Não é nem uma questão filosófica, é apenas bom senso (um pouco profundo, nada superficial). A confusão entre intimidade e subjetividade.

Leia mais...

Amo a treva. E seus olhos longos e lânguidos como ângulos

Sonho com o artelho de Aquiles a cada manhã

amo cheiro de terra e inferno (que suguei

de um canto de Dante)

Leia mais...

a St-John Perse
de iniludível expressão
O poeta precisa crer na palavra e não no significado dela (que é transitório se não inútil ou datado). Saber que todo poema é temporal (e nele o ímpeto da tempestade verbal está presente, embora inconsciente).

Leia mais...

O prestígio do novo é fato. Mas o velho sobrevive e deixa sua marca indelével sempre. Especialmente, porque dele nasce o novo. A novidade é filha do estabelecido. É sua superação dialética. Embora a ele oponha-se (como condição de ser novo realmente) e o transponha.

Leia mais...

A Poesia Absoluta recusa – e é peremptória (abomina o conteudismo como finalidade da linguagem como ideologia que faz veículo da palavra) redução (da palavra poética) a conteúdos obrigatórios e essenciais. Palavra que exista só pelo que diga, que objetive só e nada mais que conteúdo.

Leia mais...

O que seduzia Valéry em Mallarmé era a insensatez deste em poesia. Em 1885, Mallarmé em carta a Verlaine (amante de Rimbaud) disse: “sempre sonhei e busquei outra coisa (em poesia),

Leia mais...

             Começo um texto que não sei o que será. Ou o que não dará. O espírito só fornece o primeiro verso. São duas horas e alguns poucos minutos do dia três de novembro (2016).

Leia mais...

Mais Artigos...

Murilo Gun

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.
 

REVISTAS E JORNAIS